sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Teus olhos

Não há nada no mundo como te olhar nos olhos.

Estes que me fascinam quando fitam,

Deleitam quando procuram

E morrem quando transbordam.

Ah! Teus olhos nos meus!

É como beber do céu de anil.

Faz definir amor em cor.

Quase verde, quase mel, quase meu.

Como é gostoso me perder

Ao mergulhar no teu olhar.

Inspiração de bem querer!

Expiração de apaixonar!

Quando me falam esses olhos, de fascínios fictícios,

Os decifro e os decoro, pois aprendi que eles sobram

Onde as palavras economizam...

Pois o coração guarda segredos para serem ditos em silêncio.

Gosto quando brilham ao olhar!

Como guardando a luz do luar

Por caminhada em noite fria,

Com a boca dizendo "adeus" e teu olhar dizendo "fica"...

E mesmo quando resisto,

Sou presa desse olhar

Que me guarda...alegra e fascina...

Que me decifra por inteiro.

6 comentários:

  1. ameeeeeeeei isso:
    "Os decifro e os decoro, pois aprendi que eles sobram/ Onde as palavras economizam..."

    perfeita contraposição!


    Poema p namoradaaa, ela vai amar! ai ai :) que romântico ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem precisa dizer o que achei né?? *_*

      Excluir
  2. Nossa! Que sincero, que denso, que de dentro! Amei.

    ResponderExcluir
  3. Realmente, não tem nada no mundo como olhar nos olhos. E se existe amor, olhar nos olhos é o mundo. Lindas palavras, poeta ;)

    ResponderExcluir
  4. Os olhos são o espelho da alma, deveras! Rodrigão com o dom das palavras, como sempre! Parabéns! Tá demaisssssssss!! :***

    ResponderExcluir
  5. Um homem sem uma paixão transforma-se num livro sem letras... Por isso tanto tempo calado! Que venham muitas paixões transcritas por aqui!
    Tava com saudade de te ler...

    ResponderExcluir